"A grandeza de uma nação pode ser julgada pelo modo que seus animais são tratados." Mahatma Gandhi

Somos, um grupo de pessoas, que tem como objetivo, ajudar animais abandonados, doentes, tratando, vacinando, castrando e diponibilizando-os para adoção. Temos também por meta, cuidar, vacinar e castrar animais de pessoas carentes. Queremos, com isso, ajudar a diminuir tanto sofrimento devido ao abandono e a população de animais de rua, que fica sem amparo, abrigo e cuidado, à mercê da própria sorte...

Precisamos de toda ajudar possível, venha participar!

"A grandeza de uma nação pode ser julgada pelo modo que seus animais são tratados."

Mahatma Gandhi

quarta-feira, 29 de junho de 2011

A gatinha Vitória (Vivi) está andando!!!

Hoje, queremos dar os parabéns ao trabalho das pessoas envolvidas com a recuperação de Vivi! À Dra. Isabela Goulart, que está cuidando dela com todo o cuidado, diariamente medicando e fazendo curativos, às "enfermeiras" Olga Roseira e Lenita Adélia, que se revesam ajudando nos curativos e na medicação, à Dra Adélia Campos, que fez sua radiografia, à equipe de cirurgia Ortopédica - Hospital Veterinário da UENF que fez a cirurgia, e às pessoas que compraram as rifas e fizeram  doação. Depois de muito trabalho, cuidado e ansiedade pela sua recuperação, estamos postando, com muita alegria, este vídeo com os seus primeiros passos. Enfim, ela ficou e está bem!!!!! Viva Vivi!!!!
video

sexta-feira, 24 de junho de 2011

Resgate do cãozinho Quim: cinomose, uma doença terrível e contagiosa.

Hoje, ao devolvermos para a natureza um cágado achado no jardim, nos deparamos com este cãozinho no meio de um enorme pasto. Segundo duas pessoas, há alguns dias ele estava ali, ao sol e chuva, chorando. Tentaram, mas não tinham conseguido pegá-lo. Em posse de uma guia, água, comida e um golpe de sorte, conseguimos colocar a guia nele, achamos uma antiga tela que serviu de maca e o colocamos na casinha de transporte. Corremos para Campos e prontamente, Dra Adélia e Dr. Sérgio Campos atenderam-no com a atenção e competência de sempre.  Ele tem uma doença de difícil recuperação, uma virose chamada CINOMOSE. A única maneira de se evitar o contágio é vacinando os nossos cãezinhos. Vamos seguir todo o tratamento prescrito e fazer tudo o que for possível para reverter o seu quadro. Vamos torcer...
video

A vida boa, a ruim e a boa morte do gatinho Scarface

Eu olhava para a carinha dele, tentando adivinhar o seu passado...
Muito carinhoso, andava para um lado e outro, entrelaçando-se nas pernas das pessoas da casa, passando os seus bigodes como se dissesse; você me pertence! Quando tinha chance, ia logo para o colo de um, ou para um cantinho da cama fazendo “colchinha” (aquele jeitinho que o gato faz que parece estar lembrando quando ainda mamava). Educado, só fazia xixi na caixinha de areia. Tinha sempre cafuné, porque mesmo se alguém não quisesse fazer, ele conseguia, tanta era a sua insistência. Tinha abrigo, carinho, comida, água fresca, era feliz e bonito. Um dia...
Um dia ele apareceu com uma pequena ferida no nariz, e as mãos do cafuné, nada fizeram. Essa ferida foi crescendo, crescendo, e as mãos do cafuné, nada fizeram. A doença cavava o seu nariz e parte do lado esquerdo da sua carinha, e as mãos do cafuné, nada fizeram. Ele começou a ficar feio. Começou a dar nojo nas pessoas, não era mais aquele bibelô, não lembrava mais um bichinho de pelúcia, não servia mais para dar carinho, então, as mãos do cafuné, estenderam-se para ele, e o jogaram para longe da sua casa. As mãos do cafuné, tornaram-se as mãos do desprezo, do abandono, da covardia, do desrespeito à vida. Coisas típicas do bicho humano. O bicho humano ama muito!!! Ama assim, e facilmente, o bonito, o belo, o são, o bom, o alegre. Como o bicho humano é ingrato, frio, egoísta! Às vezes, tentando imaginar os motivos de tanta covardia, ouvia as vozes do seu dono: “eu gostava tanto dele que não podia mais vê-lo assim, por isso, levei-o para longe de mim, para não vê-lo sofrer”! Um dia...
Gatinho querido Scarface.
Um dia, fui ao consultório de uma amiga veterinária e ela me disse: tem um gatinho que foi abandonado aqui e está sem a parte da carinha. Respirei fundo e fui ver. Não sei como, apesar daquela enorme lesão, ele se enroscava em minhas pernas e passava o lado que ainda tinha bigode, em minhas mãos. Ronronava, e abaixava a cabecinha com um cafuné. Adorava carinho na orelha. Apesar da ferida, desidratação e magreza, comia, bebia e ainda parecia estar disposto a viver. Me ofereci para cuidar dele, pois a minha amiga estava assoberbada com tantos afazeres: reforma, atendimento, etc. Levei-o para casa, e no dia seguinte, ao me deparar com a piora da lesão, a mais amigos veterinários, para chegarmos a uma conclusão.  As suspeitas foram câncer ou fungo (esporotricose ou criptococose). Se fosse câncer, no estágio em que estava, não havia mais o que fazer. Se fosse fungo, havia um fio de esperança, e nos agarramos a ele. Começamos imediatamente com o tratamento prescrito. Infelizmente, ele já estava muito debilitado e o seu organismo não reagiu bem ao tratamento com fungicida. Parou de comer e tivemos que interromper esta medicação. Continuamos com soroterapia e outros medicamentos para minimizarem o seu mal estar. A cada dia que se passava, o gatinho que conhecemos estava menos presente. Ele estava indo embora, e não havia mais meios de reverter a situação. Começou um estágio em que estavam presentes a dor, o sofrimento, a agonia... Não comia, não bebia, as feridas estavam aumentando, mal conseguia andar e, caindo, se esforçava hercúliamente para fazer xixi na caixinha. Como falei antes, quando há um fio de esperança, me agarro com todas as forças a ele, mas a minha esperança teve que ser confrontada com a realidade e a irreversibilidade do seu estado de saúde. Coloquei o seu bem estar em primeiro lugar, respirei fundo e levei-o novamente ao veterinário. As mãos que ultimamente lhe deram carinho, água comida, remédio, levaram-no à boa morte, para enfim, descansar.

Etimologicamente, a palavra "eutanásia" deriva do grego "eu", que significa "bom ", e "thanatos" que significa "morte". Isto quer dizer principalmente boa morte, morte aprazível, sem sofrimento.

Nossos profundos agradecimentos às Drªs Lucélia, Lígia, Isabela Goulart e ao Dr. Carlos Magno.

Obs: depois da eutanásia, o corpinho de Scarface foi doado a mestrandos da UENF que, ao saberem do seu caso, pediram para tê-lo em estudos e exames minuciosos. A esporotricose está se disseminando em nossa região e pode atingir órgãos internos quando não tratada a tempo. Estes estudantes não tinham, até então, nenhum gatinho com este caso para se aprofundarem em suas pesquisas. Além do mais, foi explicado que não devemos enterrar em nossos quintais os corpos dos bichinhos com esta doença, e sim, incinerar. O corpinho de Scarface contribuirá para que outros gatinhos não sofram como ele sofreu.

terça-feira, 7 de junho de 2011

PRESTAÇÃO DE CONTAS

Nesta postagem, vamos prestar contas do que foi recebido e gasto.

Despesas e doações de 2011: clique aqui para visualizar

Despesas e doações de 2012: Clique aqui para visualizar

Despesas e doações de 2013: Clique aqui para visualizar

Despesas e doações de 2014: Clique aqui para visualizar

Despesas e doações de 2015: Clique aqui para visualizar

Prestação de contas com a cadelinha Pandora: Clique aqui para visualizar.

Prestação de contas com as cadelinhas de Goytacazes: Clique aqui para visualizar

Prestação de Contas com os 29 cãezinhos de Campos dos Goytacazes: Clique aqui para visualizar.

Rifas: Clique aqui para visualizar

Obrigada!

segunda-feira, 6 de junho de 2011

Um recado de esperança e agradecimento da gatinha Vitória. Viva a Vida!

video

A recuperação de Vitória (Vivi)

A gatinha Vitória foi operada no dia 02/06, mas só agora pudemos postar as fotos pós-cirúrgicas.

Come muito!!! Graças a Deus!
A cirurgia ocorreu bem, apesar da gravidade das fraturas. A outra patinha também requer muita preocupação, pois há uma grande área sem pele. Mas tem jeito, e ela tem uma fome! Semana que vem será feito outro Rx para saber se está tudo bem. Vamos torcer!